Olimpíadas 2016: Orgulho e Superação do Brasileiro

Por Ladielle Moreira| Especial para o site Tudo Dicas

Falar sobre as olimpíadas no Rio é só sorriso!

No início, sentia-se uma aspereza do Brasil e até mesmo do carioca, devido à crise econômica e também a toda situação do Estado do Rio de Janeiro. Velhos problemas já conhecidos por todos como segurança, saúde, endividamento do Estado e dias antes do início das competições, o Governador do Rio de Janeiro decretou estado de calamidade.

A sensação que se tem é que fazer as olimpíadas no Rio foi um erro, sem contar com os comentários da mídia internacional, que insistia em anunciar as Olimpíadas como uma tragédia anunciada. Mas deixando de lado todas essas expectativas que antecederam as competições, verificou-se logo que na primeira semana do início das Olimpíadas, o povo brasileiro, os turistas e os cariocas começaram aderir aos jogos e a todas as atrações que aconteciam paralelamente.

Pira Olímpica

Era possível, pela primeira vez na história dos jogos, ver de perto a Pira Olímpica, que ficou localizada no Boulevard Olímpico, em frente à Igreja da Candelária (local que passou por grande transformação para a realização dos jogos).

Museus

O Museu do Amanhã e Museu do Mar estavam abertos para visitação.

Diversão, Shows e Transmissão dos Jogos

Vários palcos para realização de shows e transmissão dos jogos. Patrocinadores dos jogos montaram estruturas para diversas atrações. Na Casa da Coca Cola (localizado no armazém 3, no Bourlevad Olímpico), o visitante podia tirar foto com a Pirra Olímpica e gravar um vídeo em 360º, onde era enviado por email para participante.

A Casa Brasil (localizado no armazém 1 e 2, no Bourlevad Olímpico) com a exposição da cultura brasileira e shows.

Belíssimos grafites foram pintados no Boulevard Olímpico.

Havia um balão da Skol, onde o agendamento do passeio era feito pela internet e o participante podia apreciar uma das vistas mais lindas do Centro, a Baia de Guanabara e Praça Mauá.

Além dessas, havia muitas outras atrações, tudo bem organizado e estruturado pelos patrocinadores.

Obs.: Um dos pontos negativos era que era preciso ter disposição, porque as filas eram imensas, em média ficava-se na fila duas horas para conseguir participar dessas atrações no Boulervad Olímpico.

casa-coca-cola-jogos-olimpicos-rio-2016-foto-ladielle-moreira boulevard-olimpico-jogos-olimpicos-rio-2016-foto-ladielle-moreira samsung-parque-barra-jogos-olimpicos-rio-2016-foto-ladielle-moreira

Jogos no Parque Olímpico

parque-olimpico-jogos-olimpicos-rio-2016-foto-ladielle-moreiraAo mesmo tempo que as atrações no Centro do Rio, era possível também participar dos jogos que ocorriam em diversos locais diferentes da cidade, como o Parque Olímpico na Barra da Tijuca, onde tive o prazer de estar.

Assim como todos não me interessei em comprar os ingressos com antecedência, e resolvi em cima da hora ir a um jogo no Parque Olímpico, pois queria conhecer o espaço dedicado às competições.

Um detalhe, os patrocinadores dos jogos estavam lá com suas estruturas montadas para a diversão, como a Coca Cola, Bradesco, Samsung, Mega Store (comprar os produtos olímpicos), Omega, Nissan, Channel, Show dos Mascotes Vinicius e Tom, um verdadeiro parque de diversões. Era preciso ir vários dias para poder participar de tudo. Um tanto cansativo, devido as filas, mas divertido porque haviam os brindes dados aos participantes e as atrações como simuladores.

Fiquei surpreendida no que pude presenciar, pois o transporte público funcionou: barcas, metrô, BRT (Transporte Rápido por Ônibus), VLT (Veiculo Leve Sobre Trilhos), segurança no local, com revistas na entrada, alimentação e banheiros, tudo Ok!

vlt-transporte-jogos-olimpicos-rio-2016-foto-ladielle-moreira

Rio de Janeiro: A Casa do Mundo

Durante os Jogos, o Rio se tornou a casa do mundo! Cariocas e turistas que vierem de outros países para acompanhar a competição puderam visitar espaços de hospitalidade temáticos de cada nação. São 27 Casas abertas ao público em diversas áreas da cidade. Aliás, fui na Casa da Alemanha (OliAle – Alemanha na Praia) localizada no Leblon, na praia, onde foi possível saborear a comida e a bebida de excelente qualidade, com um atendimento super rápido, apesar da fila.

Fui também a Casa da Suíça, localizada na Lagoa Rodrigo de Freitas, lugar excelente, com um clima muito agradável, redes, cadeiras de praia, grama sintética, onde as pessoas se sentiam a vontade, deitavam-se no chão e se divertiam. A comida era excelente e as músicas animadas.

Visitei a Casa de Portugal, no Navio Escola de Sagres, na Ilha das Cobras, o visitante podia conhecer o navio e também saborear a comida típica do pais. O interessante é que quem não teve tempo e nem paciência de ficar nas filas para as visitas, ainda terá uma segunda chance, pois muitas das atrações e casas temáticas estenderam o funcionamento até o final das Paralimpíadas, então, posso dizer que ainda não terminou o clima olímpico. Ele se estenderá por mais alguns dias e agora com os preços dos jogos mais acessíveis a população, podendo ser encontrados ingressos de até R$ 50,00, pois nos jogos olímpicos os preços foram altos.

Poderia resumir as Olimpíadas do Rio 2016 como sendo um prova de que nós brasileiros somos capazes de superar qualquer problema, só precisamos de uma gestão política com vontade e verdade!

Sobre a autora

Ladielle Moreira é uma carioca, formada em Gestão de Recursos Humanos e cursando a faculdade de Psicologia. Ela ama a profissão e um dos seus hobbies é a prática de atividades físicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *