Home Brasília Consciência Negra: Cinema do CCBB Brasília com Spike Lee

Consciência Negra: Cinema do CCBB Brasília com Spike Lee

A mostra “Acorde! O Cinema de Spike Lee” chega ao Cinema do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB Brasília). Com abertura no Dia Nacional da Consciência Negra (20 de novembro), a mostra segue até 09 de dezembro e reapresenta Spike Lee ao público sob a ótica do século XXI. A mostra também acontece em São Paulo (7 de novembro a 3 de dezembro) e Rio de Janeiro (7 a 26 de novembro).

“Acorde!” é uma fala recorrente em quase todos os filmes de Spike Lee.

“É um chamado para a ação, para a ruptura de um comportamento padronizado, geralmente declamado por um personagem secundário para o personagem central, frequentemente em uma visão subjetiva: o ator fala ‘Acorde!’ para a plateia do cinema. Spike Lee quer que seu cinema faça o público acordar para a realidade que o cerca.” Destaca o curador Jaiê Saavedra.

A programação traz 23 longas e 4 videoclipes, com uma sessão inclusiva para deficientes auditivos e visuais, um debate gratuito com o curador Jaiê Saavedra e as pesquisadoras Kênia Freitas e Aida Rodrigues Feitosa, e na apresentação do cartão fidelidade do cinema do CCBB, com cinco carimbos, o público poderá trocá-lo por um catálogo. A mostra ainda conta com uma sessão inclusiva para deficientes visuais e auditivos. O debate também vai ter tradução em Libras.

“O cinema de Spike Lee permanece urgente e seu discurso inclusivo é costurado por temas que abordam uma visão particular da diversidade racial urbana é mais atual do que nunca.” Enfatiza o curador, que optou por um recorte com filmes e clipes que representam diferentes momentos da carreira do cineasta. Serão exibidas obras mais recentes, pouco vistas nas salas de cinema brasileiras.

A cinematografia de Spike Lee

Spike Lee
Spike Lee

Ao demonstrar para Hollywood o potencial de um cinema negro junto ao público amplo, Spike Lee saiu da condição duplamente marginalizada de cineasta independente e negro, fazendo dos black films parte da grande indústria do cinema americano. Um período de intensa criatividade veio a seguir, com os filmes “Mais e melhores blues”, “Malcolm X”, “Febre na selva” e “Verão de Sam”, colocando o diretor entre os grandes nomes do cinema mundial. Surpreendentemente, mesmo tendo alcançado a condição de um cineasta mainstream Spike Lee nunca deixou de considerar a si mesmo um cineasta negro e independente. Com “A hora do show” (2001), uma crítica feroz à forma como Hollywood e a TV dos Estados Unidos tratavam os negros, ele consolidou definitivamente a sua posição como um dos grandes realizadores do século.

A última década de Spike Lee contém alguns de seus melhores trabalhos como documentarista, mas apesar de sua habilidade em transitar pelo território indie e pelo mainstream, suas obras mais recentes foram surpreendentemente pouco assistidas pelo público brasileiro. Na imprensa brasileira muito se fala sobre suas rixas com Quentin Tarantino, suas críticas à desigualdade social no Brasil e seus posicionamentos políticos pontuais, como o boicote ao Oscar em nome da representatividade dos atores negros. Mas pouco se fala sobre a genialidade de seus documentários mais recentes sobre o jogador de basquete Kobe Bryant, o lutador Mike Tyson, o cantor Michael Jackson ou mesmo o desastre do Furacão Katrina em New Orleans, temas populares abordados através de uma perspectiva única, que inclui o olhar dos negros, dos latinos, dos imigrantes e dos marginalizados.

Spike Lee também é, antes de tudo, um cineasta com incrível domínio técnico, grande sensibilidade na direção de atores e enorme respeito à palavra. Seus primeiros filmes já se tornaram clássicos do cinema que merecem ser reassistidos e novamente discutidos. Um raro exemplo de um diretor que conservou enorme vigor e ousadia através das décadas, transcendendo o título de representante de um cinema negro e se tornando um dos grandes de nossa época.

Spike Lee e o Brasil

Spike LeeSpike Lee é um nome pop. É um dos grandes nomes de cineastas em atividade, e particularmente um com grande conexão com o Brasil. A gravação do clipe de Michael Jackson na comunidade Santa Marta, a filmagem de um curta sobre futebol para a Copa do Mundo e sua compreensão da sociedade brasileira são notórias para o grande público. Atualmente ele coincidentemente finaliza o documentário “Go Brazil Go”, que investiga as peculiaridades das relações sociais brasileiras a partir das transformações ocasionadas pela ascensão das classes menos privilegiadas. Gilberto Gil, Caetano Veloso, Seu Jorge, Criolo, Tom Zé, Emicida e Rappin Hood são os entrevistados musicais do filme que também entrevistará políticos brasileiros e ativistas sociais.

O curador

Jaiê Saavedra é formado em Jornalismo, Publicidade e Cinema pela PUC-Rio e pós-graduado em Cinema e Documentário pela FGV. É roteirista, diretor e editor de filmes e programas de TV. Editou a série Sangue Latino para o Canal Brasil e o longa documentário Arquitetos do Poder, sobre a história do marketing político no Brasil, além de diversas séries para o Multishow, GNT, Discovery e Canal Brasil. Recentemente também montou o documentário Irmãos Grael para a ESPN e o show Ney Matogrosso – Atento aos Sinais. Dirigiu a série em três temporadas Esquinas para o Canal Brasil, dirigiu e escreveu a série De Cara Limpa para o Canal Multishow e roteirizou, dirigiu e foi redator-chefe das três temporadas da série Estranha Mente, também para o Multishow, onde atuou como redator-chefe em séries como Vai Que Cola. Dirigiu em 2018 o curta-metragem “Copacabana-Auschwitz”, premiado no Festival Internacional de Curtas de São Paulo, e atualmente desenvolve um longa-metragem de ficção. É curador de mostras de cinemas e produziu diversas mostras para a Caixa Cultural e o CCBB, como Abel Ferrara e a Religião da Intensidade, Cine Boliviano, Dogma 95, O Cinema Total de David Lean, Making-Of, Barbara Hammer: Cinema Lésbico Experimental, Jean Renoir, e recentemente a mostra Cidade em Chamas: O Cinema de Hong Kong.

As integrantes do debate

Aida Rodrigues Feitosa é Mestre em Comunicação pela Universidade de Brasília coma dissertação de mestrado intitula-se: Poética da Rua:Estética do meio ambiente urbano em imagens de cineastas negros. É Graduada em Comunicação, com habilitação em jornalismo, pela mesma universidade. Possui experiência em produção audiovisual, assessoria de imprensa, jornalismo ambiental e cultural. Tem com áreas de interesse: estética, teoria do cinema e teoria dos cineastas.

Kênia Freitas é pós-doutoranda (CAPES/PNPD) do programa de pós-graduação em Comunicação da UNESP. Doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Mestre em Multimeios pela Unicamp. Formada em Comunicação Social/Jornalismo, na Ufes. Realizou a curadoria das mostras “Afrofuturismo: cinema e música em uma diáspora intergaláctica” (2015/ Caixa Belas Artes/SP), “A Magia da Mulher Negra” (2017/Sesc Belenzinho/SP) e Diretoras Negras no Cinema brasileiro (2017/Caixa Cultural/DF e RJ, 2018/Sesc Palladium/MG). Escreve críticas cinematográficas para o site Multiplot! Integra o Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Programação da Mostra “Acorde! O Cinema de Spike Lee”

1º Semana

Terça, 20 de novembro
16h – Irmãos de sangue (1995 / 129 min / Digital) Sessão gratuita*
18h30 – Todos à bordo (1996 / 120 min / Digital)

Quarta, 21 de novembro
16h20 – Faça a coisa certa (1989 / 120 min / Digital) + Public Enemy – Fight The Power
(1990 / 5 min / Digital) Sessão gratuita*
19h – DEBATE com Jaiê Saavedra, Kênia Freitas e Aida Rodrigues Feitosa

Quinta 22, de novembro
14h – Kobe Doin´Work (2009 / 84 min / Digital)
16h – Elas me odeiam, mas me querem (2004 / 138 min / Digital) Sessão gratuita*

Filme Jogada Decisiva
Filme Jogada Decisiva – 1998

18h30 – Jogada decisiva (1998 / 136 min / Digital)

Sexta 23, de novembro
14h – Garota 6 (1996 / 100 min / Digital) Sessão gratuita*
16h – Elas me odeiam, mas me querem (2004 / 138 min / Digital) Sessão gratuita*
19h – Oldboy – Dias de vingança (2013 / 104 min / Digital)

Sábado 24, de novembro
14h – Joe’s Bed-Stuy Barbershop: We Cut Heads (1983 / 60 min / Digital) Sessão gratuita*
15h30 – O verão de Sam (1999 / 142 min / Digital) Sessão gratuita*
18h30 – O plano perfeito (2006 / 130 min / Digital) Sessão gratuita*

Domingo, 25 de novembro
14h – Michael Jackson’s Journey from Motown to Off the Wall (2016 / 110 min / Digital) + Michael Jackson – They Don’t Care About Us (1996 / 5 min / Digital)
16h30 – Todos à bordo (1996 / 120 min / Digital)
19h – Oldboy – Dias de vingança (2013 / 104 min / Digital)

2º Semana

Terça, 27 de novembro
15h30 – A hora do show (2000 / 135 min / Digital)
18h10 – Milagre em Santa Anna (2008 / 156 min / Digital) Sessão gratuita*

Quarta, 28 de novembro
14h – The Original Kings of Comedy (2000 / 115 min / Digital) + Eminem – Headlights (2013 / 5 min / Digital) Sessão gratuita*
16h30 – Crooklyn – Uma família de pernas pro ar (1994 / 115 min / Digital) Sessão gratuita*
19h – Ela quer tudo (1986 / 90 min / Digital) + Prince & The New Power Generation – Money Don’t Matter 2Night (1992 / 5 min / Digital) Sessão gratuita*

Quinta 29, de novembro

14h – Garota 6 (1996 / 100 min / Digital) Sessão gratuita*
16h – Verão em Red Hook (2012 / 131 min / Digital)
18h40 – O plano perfeito (2006 / 130 min / Digital) Sessão gratuita*

Sexta 30, de novembro
15h30 – Kobe Doin’ Work (2009 / 84 min / Digital)
17h30 – Malcolm X (1992 / 202 min / 35mm)

Sábado 01, de dezembro
14h – Jogada decisiva (1998 / 136 min / Digital)
17h – A última noite (2002 / 134 min / 35mm)
19h40 – Faça a coisa certa (1989 / 120 min / Digital) + Public Enemy – Fight The Power(1990 / 5 min  / Digital) Sessão gratuita*

Domingo, 02 de dezembro
14h30 – A última noite (2002 / 134 min / 35mm)

Filme Malcolm X
Filme Malcolm X

17h30 – Malcolm X (1992 / 202 min / 35mm)

3º Semana

Terça, 04 de dezembro
16h20 – A hora do show (2000 / 135 min / Digital)
19h – Milagre em Santa Anna (2008 / 156 min / Digital) Sessão gratuita*

Quarta, 05 de dezembro
14h30 – Faça a coisa certa (1989 / 120 min / Digital) Sessão Inclusiva – audiodescrição + legendagem + LIBRAS. Sessão gratuita
17h – Verão em Red Hook (2012 / 131 min / Digital)
20h – Ela quer tudo (1986 / 90 min / Digital) Sessão gratuita*

Quinta, 06 de dezembro
14h30- Crooklyn – Uma família de pernas pro ar (1994 / 115 min / Digital) Sessão gratuita*
17h – The Original Kings of Comedy (2000 / 115 min / Digital) + Eminem – Headlights (2013 / 5 min / Digital) Sessão gratuita*
19h30 – Mais e melhores blues (1990 / 130 min / 35mm)

Sexta, 07 de dezembro
15h30 – Michael Jackson’s Journey from Motown to Off the Wall (2016 / 110 min / Digital) + Michael Jackson – They Don’t Care About Us (1996 / 5 min / Digital)
18h – Joe’s Bed-Stuy Barbershop: We Cut Heads (1983 / 60 min / Digital) Sessão gratuita*
19h30 – Febre da selva (1991 / 121 min / 35mm)

Sábado, 08 de dezembro
14h30 – Lute pela coisa certa (1988 / 120 min / Digital) Sessão gratuita*
17h – Febre da selva (1991 / 121 min / 35mm)
19h30h – Irmãos de sangue (1995 / 129 min / Digital) + Prince & The New Power
Generation – Money Don’t Matter 2Night (1992 / 5 min / Digital) Sessão gratuita*

Domingo, 09 de dezembro
14h – O verão de Sam (1999 / 142 min / Digital) Sessão gratuita*
17h – Mais e melhores blues (1990 / 130 min / 35mm)
19h40 – Lute pela coisa certa (1988 / 120 min / Digital) Sessão gratuita*

Serviço:

Acorde! O Cinema de Spike Lee
Data: De 20 de novembro a 09 de dezembro de 2018
Local: Cinema do CCBB (SCES, Trecho 02, lote 22)
Ingressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada) – Algumas sessões são gratuitas (Ver programação)*
Informações: (61) 3108-7600
Funcionamento: De terça a domingo, das 09:00 às 21:00
Horários de exibição: bb.com.br/cultura
Classificações indicativas: 14 anos.

Fonte: Assessoria de Imprensa e Editoria em Cultura – Acha Brasília.

BUSCA

ÚLTIMOS ARTIGOS

Como fazer a consulta do Cartão Cidadão

O Cartão Cidadão foi criado nos anos 2000 pelo Governo Federal, em parceria com a Caixa Econômica, com o objetivo de unificar as contas...