Vantagens do pagamento por aproximação para os compradores e varejistas

A maneira como fazemos compras e consumimos bens e serviços foi totalmente afetada pela pandemia, talvez mais do que qualquer outro momento. Os varejistas estão reinventando e explorando maneiras de otimizar a experiência de compra, selecionar as tecnologias certas para aumentar o envolvimento, as vendas e a fidelidade do cliente.

Cada vez tem mudado mais e mais a forma como os clientes se relacionam com os vendedores. Inclusive, uma dessas transformações estão ligadas a forma de pagamento que está sendo usada. Neste artigo, vamos explorar um pouco mais sobre o pagamento por aproximação e como ele tem impactado nossa rotina.

Foto: (reprodução/internet)

O cenário tem mudado

Em uma pesquisa global conduzida pela McKinsey, a digitalização das interações do cliente e da cadeia de suprimentos e das operações internas foi acelerada em três a quatro anos. Não são apenas os varejistas que buscam inovação no varejo, os compradores diários estão adotando novas tecnologias e novas formas de fazer compras.

Por mais interativas e inovadoras que as experiências digitais tenham se tornado, as compras presenciais permanecem atraentes.

Somente no setor de alimentos, dois terços dos consumidores afirmam que ainda preferem comprar em lojas físicas. Claro, o delivery e retirada têm raízes firmes e profundas no varejo, mas ainda existem aquelas que preferem o presencial.

Foto: (reprodução/internet)

CONFIRA MAIS: Como a tecnologia impacta as funções do CMO (Chief Marketing Officer)

Pagamentos por aproximação não para de crescer

E isso deu origem a um ressurgimento do pagamento por aproximação e de autoatendimento, juntamente com inovações em tecnologia que facilitam a implantação pelos varejistas.

  • Os pagamentos sem contato aumentaram 150% desde 2019
  • Hoje, 87% dos compradores dizem que preferem fazer compras em lojas que possuem pagamento por aproximação
  • 74% dos consumidores globais dizem que continuarão a usar pagamentos por aproximação sem contato após a pandemia
  • O tamanho do mercado deve ultrapassar US$ 4,60 trilhões até 2027

O fascínio da tecnologia é simples: os consumidores desejam um pagamento seguro, rápido e sem contato. Mas os varejistas podem descobrir que chegar lá pode ser uma jornada cara em uma estrada longa e sinuosa

Checkouts autônomos: um pouco de mágica a um custo alto

Segundo algumas estimativas, as soluções autônomas de checkout podem custar um milhão de dólares em gastos com tecnologia por local.

Além disso, essa implementação pode também exigir um aplicativo móvel e tecnologia de alto custo, como inteligência artificial, visão computacional (AICV), câmeras, sensores, reformas de lojas e, em alguns casos, reconhecimento facial e dados biométricos.

Isso não leva em consideração a integração na equação. Os ecossistemas de tecnologia de comércio existentes estão ficando mais complexos. Introduzir checkouts autônomos nessa teia de aranha pode ser um empreendimento caro, para não falar em remediar as preocupações com a privacidade do consumidor.

Descobrindo e estimulando a inovação

Todas essas são as razões pelas quais você deveria adotar ou pelo menos começar a adotar e criar uma tecnologia de pagamentos por aproximação melhor, mais segura, mais rápida e mais personalizada que estenda as experiências existentes baseadas na web sem o investimento pesado de outras soluções no mercado.

Seja elas seja com cartão de crédito, cartão de débito, na máquina cartão ou qualquer outro jeito, assim, você estará alinhado com as exigências do mercado e crescerá muito mais.

Traduzido e adaptado por Tudo Dicas

Fonte: Clickz