Autônomos: como contribuir para a previdência social

Já conhecemos diversas formas de previdência e de aposentadoria, principalmente a da Previdência Social. Todos que possuem um regime de trabalho de acordo com a CLT e de carteira assinada em uma empresa privada deve conhecer esse tipo de aposentadoria.

Entretanto, há outros formatos e modelos de trabalho, entre eles está o autônomo. Mas você sabe como funciona a previdência e a aposentadoria para esse tipo de trabalho? Confira que neste artigo será mostrado como é feita a contribuição para a previdência de trabalhadores autônomos.

Foto: (reprodução/internet)

Como é o trabalho autônomo?

O trabalho de autônomo é um modelo de trabalho formal onde o trabalhador não possui a carteira assinada e não possui nenhum vínculo empregatício com a empresa que ele presta serviço, entretanto, está protegido por lei por acordo entre as partes pertencentes do acordo.

Aliás, engana-se quem pensa que não há cobrança de imposto nesse modelo de trabalho. Há o mais comum de todos que é o Imposto Sobre Serviço (ISS) em que há a possibilidade de fazer pagamento/contribuição mensal ou então anual.

O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) também faz parte e já está embutido no  Recibo de Pagamento Autônomo RPA. E por último, também está incluso a contribuição da Previdência Social do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), aliás, quem é MEI, esse valor é descontado direto no ISS.

Foto: (reprodução/internet)

Taxas desse modelo de trabalho

Este tipo de trabalho é denominado prestador de serviços, o que permite realizar o trabalho como pessoa jurídica.

A taxa que você paga ao INSS depende da sua renda mensal e da forma de pagamento, que é o código que você escolher. Quem decidir pagar 20% do valor da alíquota (cód. 1007) deve calcular esse valor e preenchê-lo no “Guia da Previdência Social”.

Esteja ciente de que existem certas limitações neste caso: você só pode pagar 20% do salário mínimo para 20% dos R$ 6.101,06 mais altos. Os contribuintes que escolherem o código 1163 pagarão 11% do salário mínimo.

Como contribuir para o INSS

Antes de tudo, você deve saber seu Número de Identificação do Trabalhador (NIT) (ele é o equivalente ao PIS/PASEP e está na carteira de trabalho), pois ele te identifica na Previdência Social.

Depois disso, você tem a possibilidade de escolher algum plano de contribuição e os valores e benefícios de cada plano varia. Aliás, esses planos são identificados com códigos que são usados ao preencher o GPS e nesse momento é importante conhecer o valor e contribuições do plano escolhido.

Os planos são “Plano normal de contribuição” e o “Plano simplificado de contribuição”

Logo após escolher o plano que o autônomo vai escolher para pagar, o GPS (Guia de Previdência Social) deve ser emitido tanto pela Previdência Social ou então um carnê de pagamento de papelaria pode ser usado.

O pagamento dessa guia deve ser feito todo mês durante três meses. Fique atento, pois nesse carnê/guia estará o código do plano falado anteriormente